A CARREGAR

Descrição

Casa do Trebilhadouro

Fui lá pela primeira vez há muitos anos. Um monte de pedras e silvas era o que restava do que tinha sido uma aldeia. Abandonada pelas gentes, abandonada pelo tempo.
O meu cliente gostava no local por que dali de vê a Ria de Aveiro e o Atlântico. Estamos bem alto quase a chegar à Serra da Freita, longe do mar mas, num olhar, tão perto.
Trebilhadouro é o nome da terra e há poucos anos tornou-se moda porque começou a organizar um festival de música, dita celta. Foi o suficiente para acordar os responsáveis. O dinheiro apareceu e as obras de requalificação, é assim que se chamam, foram realizadas.
A qualidade da requalificação é discutível, mas limparam silvas, calcetaram caminhos, introduziram infra-estruturas, iluminação, néon, que, de tão frágil, já não funciona, e a estrada até lá. Falta recuperar as casas. As que entretanto sofreram obras têm de ser recuperadas, pois a qualidade do que foi feito não é recomendável.
O cliente (digo por brincadeira ‘cada cliente, cada loucura’, e é verdade) manteve a loucura e comprou uma casa em Trebilhaduro e voltou a chamar-me.
‘Comprei uma Casa em Trebilhadouro’, disse-me. Voltei lá. Casa?… Um grupo de paredes de pedras poisadas umas sobre as outras. Com olhar de arqueólogo percebe-se que em tempos ali viveram gentes e animais, uns como os outros.
E a vista e o silêncio; e as pedras que se confundem com os líquenes.
Há que desmontar paredes que apresentem sinais de desagregação e remontá-las, usando para o efeito pedras perdidas. É necessário corrigir estruturas.
Sobre estas pedras, entretanto consolidadas, será poisada uma estrutura de madeira, levitando em caixilhos. Desta forma será possível permanecer naqueles espaços que quase não sofrerão alterações.
Manter-se-ão os vãos existentes e serão abertos outros onde não existem ou são necessários.
No interior os espaços serão mantidos, assim como o forno de cozer o pão e a lareira para cozinhar. Um quarto e um sanitário completam o programa.
O pátio de entrada, ou cortil, será mantido e os muros melhorados.
O quintal, no tardoz, escarpa de penedo de onde crescem dois carvalhos, será local de retiro dum reboliço inexistente…
Sobre a cobertura haverá um terraço. Não se pode negar ao cliente a recompensa de uma paisagem que é bela até ao horizonte.
As loucuras são privilégio dos bons clientes… e da arquitectura.

Seoul, 12.05.2009

Carlos Castanheira

Ficha Técnica

Projecto: Casa do Trebilhadouro

Cliente: Antero Tavares Menezes Gandra

Localização: Trebilhadouro- Rôge
Vale de Cambra – Portugal

Data Projecto: August 2008


Projecto de Arquitectura: Carlos Castanheira
Carlos Castanheira & Clara Bastai, Arquitectos Ldª

Equipa: Luís Reis
Carlos Barroso
Carla Viana
Casa do Trebilhadouro
Trebilhadouro, Roge - Vale de Cambra | 2008