A CARREGAR

Descrição

Uma adega já não é o que era.

Ainda conheci adegas onde as teias de aranha e o pó eram sinal de tempo e do tempo. O tempo era também, quase sempre, o sinal de qualidade, pois o vinho que se preservava ao longo do tempo, no tempo, era do bom e ficava melhor ainda depois de ali ficar estacionado uns anos.

As adegas estão em transformação e já não há lugar para o pó nem para as teias de aranha. Autênticos laboratórios, regem-se por rígidas regras de laboração e de higiene. Obedecem a uma ciência apurada de dosagem, regulação de temperatura, acelerada ou lenta, mais ou menos química. Em alguns casos, uma adega é um espaço de verdadeira alquimia.

A Adega Casa da Torre já existia, pois na propriedade já se fazia bom vinho. A vontade de produzir mais, melhor e de acordo com as novas regras, obrigou a repensá-la e obrigatoriamente a aumentá-la.

A localização e a orientação são excelentes. Encastrada no terreno tem o lado a sul protegido da insolação e das altas temperaturas. O poente também. O norte é uma parede alta e espessa de granito. A nascente está o acesso e o espaço de acolhimento.

A ampliação limitou-se a acrescentar o necessário, respeitando o existente. A transformação começou na cobertura: de várias e complexas estruturas e planos, criou-se uma estrutura de duas águas. O vão transversal de 18 metros obrigou à introdução de pilares centrais, indesejados e indesejáveis, e, por isso, reduzidos ao mínimo. A estrutura de madeira lamelar é simples, apesar das quatro escoras que se abrem a partir de um pilar, ajudando as vigas de cobertura. Cabos de aço estabilizam as grandes forças horizontais produzidas pela estrutura e materiais de cobertura.

No interior, os materiais foram escolhidos obedecendo a critérios de higiene, durabilidade e manutenção. Os pipos e dornas deram lugar a cubas de aço inox, alinhadas a rigor, de ventre abundante, umas cheias, outras prontas a receber o precioso néctar.

Sobre o tanque de pedras de granito exterior, o volume do pequeno escritório está fora e dentro procurando a relação dos dois espaços. O acesso faz-se por uma escada também de madeira. Um passadiço elevado permite a circulação, ligando cotas do terreno exterior, a poente, e o piso do escritório.

A cobertura projecta-se sobre o lajeado da entrada, cobrindo acessos, sanitários e o “pipo” que é laboratório.

A luz, quanto baste, é coada por um ripado de madeira. Lá dentro o vinho mantém-se e matura-se, depois da azáfama da vindima, do pisar, da fermentação e de todo o saber inerente ao processo.

Os trabalhos na adega obrigaram a repensar a envolvente exterior. Transplantaram-se árvores, mudaram-se pedras e fizeram-se tanques como no antigamente, lajeados ciclópicos. Aproveitaram-se águas perdidas e controlaram-se.

Uma adega já não é o que era. Está melhor, assim como o vinho.
Fresca como é o vinho. O verde.


Maio de 2009
Carlos Castanheira

Ficha Técnica

Cliente:
Manuel Sousa Lopes

Local:
Louro - Vila Nova de Famalicão - Portugal

Data de Projecto:
2008-2009

Proj. Arquitectura:
Carlos Castanheira
Carlos Castanheira & Clara Bastai, Arqtos Lda.

Colaboração:
Orlando Sousa

Proj. Engenharia:
Paulo Fidalgo, Eng. Civil
HDP Gabinete Projectos. Engenharia Civil, Lda.

Construção/ Carpintaria:
Carpicunha Madeira Ldª

Fotografia:
Fernando Guerra
FG + SG - Fotografia de Arquitectura
Adega Casa da Torre
Louro - Vila Nova de Famalicão - Portugal | 2008 - 2009